A cozinha, paixão para uma vida...

Durante muito tempo ir para cozinha e preparar o nosso alimento era totalmente natural. Os processos começavam do zero,(lembro das minhas avós contarem que matavam a galinha, depenavam,  e destrinchavam, era muito trabalho para ela virar esse peito de frango que encontramos no supermercado hoje) cozinhar fazia parte da rotina de todos, e não existia outra opção a não ser dedicar muito tempo em torno do fogão.

A mulher começou a ir para o mercado de trabalho, não havia mais tempo e nem disposição para todos esses processos e foram surgindo as grandes soluções da indústria alimentícia para otimizar o tempo escasso. 

Claro, não podemos negar que um pouco de praticidade ajudou, e muito, todos nós. O problema é que começamos terceirizar absolutamente tudo e com isso perdemos o controle do que são os alimentos que colocamos no nosso corpo. 

 

A minha geração (nasci no ano de 1985) substituiu aquela papinha nutritiva da panela de pressão pela pronta da Nestlé, trocou a lasanha da Nonna do domingo pelo Mc Donalds, a macarronada pelo miojo, o filé de frango á milanesa pelo Nuggets e o suco de laranja espremido na hora pela Coca!

Tudo isso pelo milagre da praticidade. Pela ilusão do alimento nutritivo que já vem pronto, o macarrão que fica pronto em 3 minutos, o pelo Fast Food que alimenta o corpo.

Mas tem uma parte que a industria alimentícia não contou para gente. Por exemplo, que aquela papinha que tem carne e dura uma eternidade fora da geladeira não oferece nenhum nutriente para o bebê, que o macarrão pronto em 3 minutos tem na sua composição ingredientes cancerígenos, e etc... Todos esses alimentos além de não nutrirem fazem um mal gigantesco para a nossa saúde!

Eu percebi isso quando precisei fazer, aos 27 anos, uma cirurgia para retirada de tumores no pâncreas. (é... cedo para ter câncer, né? também acho). A primeira coisa que me deram após a operação, ainda na UTI e depois de 4 dias em jejum, foi um suco de uva industrializado.

Claro, que ele saiu no mesmo instante que entrou! Meu corpo, precisando se recuperar, rejeitou aquele veneno. Foi ai que aprendi talvez a coisa mais importante da minha vida: o nosso corpo sabe do que precisa, precisamos escutá-lo e cuidar dele com carinho!

Quando comecei a ouvir o que meu corpo tentava me dizer (talvez há anos) vários alimentos saíram da minha casa. Quando voltei para casa, após a cirurgia, meu parceiro de vida, o Fábio, começou a pesquisar sobre alimentação e fazer sucos naturais para mim e pensar em alimentos que poderiam me ajudar na recuperação.  Fomos entrando juntos nesse novo mundo mais saudável e muito mais natural. E percebemos que só existia uma forma de   controlar aquilo que colocávamos para dentro do nosso corpo:  indo para a cozinha!

Não vou mentir, começou como uma obrigação. Eu queria me sentir bem, dar os elementos para o meu corpo se recuperar e precisava dedicar meu tempo a isso. Mas com o tempo, manipular o meu alimento, pensar na nutrição do corpo, elaborar combinações de sabores, estar no controle da minha saúde...tudo isso se tornou um prazer enorme.

Me apaixonei pela cozinha, estar ao redor do fogão, cozinhar para os outros, compartilhar o meu amor através do alimento (se as minhas avós estivessem vivas hoje teríamos tanto assunto.. eu ficaria ao lado delas na cozinha observando os gestos, o amor, e tudo que a experiência de anos no fogão ensinou para elas, comeríamos biscoito caseiro  e tomaríamos chá de cidreira juntas. Afinal, elas sabiam de tudo!) 

Nesse tempo sabe o que descobri também? Que cozinhar não é nenhum bicho de sete cabeças, e que tem refeições que a gente leva quase o  mesmo tempo do macarrão que promete ficar pronto em três minutos e que são ainda MUITO mais nutritivas e gostosas!

Não precisamos dessas ciladas da indústria, vamos cuidar do nosso templo e brindar a vida por muitos anos. Meu objetivo é ajudar vocês nesse caminho, da saúde, e quem sabe fazer você também se apaixonar pela cozinha! Contem comigo para o que precisar e se puderem deixem um comentário aqui abaixo contando o que acharam! 

Um beijo com amor,

Felicia